Balançar as emoções

lago maggiore

Ando com a neura! Ando sem vontade, sem paciência, sem tempo. Ando cansada, estafada, stressada, ando “passada dos carretos” como se costuma dizer na gíria.

A única pessoa que consegue obter toda a minha energia é a minha filha, e por ela vou buscar toda a energia necessária, nem que tenha que dar a volta ao universo.

Estive doente há pouco tempo. A verdade é que não sei se tem muito a ver ou se simplesmente preciso de parar, acalmar um bocado. E não me refiro a uma paragem física, mas sim psicológica. Parar de pensar demasiado nas coisas ou de preocupar-me demasiado com as coisas.

O Natal está aí à porta e sinto-me estranha. Demasiado estranha.

É o primeiro Natal da Matilde e não estou a conseguir lidar com a montanha russa de emoções que me assolam. Por um lado estou extasiada, afinal é o primeiro natal da minha filha e para mim não há época mais bonita no ano inteiro. Por outro, não consigo deixar de sentir raiva, uma raiva que está a corroer-me por dentro. Raiva por este Natal (e todos os outros) não ser vivido com a avó materna dela. Raiva por a terem tirado de mim demasiado cedo.

Lembro-me que na missa do funeral o padre disse: “Deus colhe as flores mais bonitas para o seu jardim”. Na altura deu-me algum conforto (não sei explicar porquê). Hoje penso nisso e sinto-me revoltada, a minha mãe era a flor mais bonita do meu jardim e era seu direito lá continuar, para viver comigo (connosco) estes momentos de alegria. Para confortar-nos com as suas palavras doces quando precisávamos ou para nos dar na cabeça quando o merecíamos.

A verdade é que por mais momentos de felicidade que tenha na minha vida, nunca irei vivê-los por completo, porque irá sempre faltar algo… Aliás não algo, mas sim alguém. E isso é algo com a qual ainda estou a tentar aprender a viver. Dia a dia. Passo a passo.

Não é fácil…mas lá chegarei…um dia!

lago maggiore

Fotografia tirada no Lago Maggiore, Julho 2011

Love

C

8 Replies to “Balançar as emoções”

  1. Olá Claudia…
    Com o tempo vai custando menos, não digo que deixe de custar definitivamente mas irá custar menos. Muita força para ti e para a tua filha! São 2 guerreiras, unam-se as duas e tudo será mais fácil! Beijinhos para a bebé e para ti.
    https://jrazing.blogspot.pt/

    1. Olá João obrigada pelo carinho e comentário! E sim, o tempo não cura mas há que encarar a vida com um sorriso…sempre! Um beijinho para ti e obrigada ❤

  2. Eu percebo perfeitamente o que estás a sentir e lamento muito por quem passa por isso. Sem uma mãe ou pai ao nosso lado é extremamente desolador.
    Apesar dos meus pais estarem vivos estão separados e a (alguma) ausência da parte do pai prejudica-me imenso… Nada é como antes.
    Só sabemos (e lamentamos) de que nada é igual ou parecido, o Natal não é o mesmo, aquela excitação não é a mesma, as emoções vividas de uma memória familiar não é a mesma… Só porque esse alguém que amamos está ausente. E esse “nada é como antes” entristece de alguma forma, então estamos a tentar adaptar-nos a nossa realidade. Também é o primeiro natal do Noah e sinto exatamente como tu, falta cá elementos. Há uma falta.

    Um beijinho e tenta ser o mais feliz possível 🙂

    1. Querida Margarida obrigada! Há 7 anos que lido com esta falta mas este ano está a custar um bocadinho mais. Escrever este texto foi terapêutico, precisava de deitar as emoções cá para fora. A vida vai-se vivendo, dia a dia, passo a passo e sempre com um sorriso! Um beijinho muito grande no teu coração! E que a alegria de viver o primeiro natal do Noah e da Matilde consiga confortar o nosso coração ❤

  3. Claudia lamento que te estejas a sentir dessa forma. Apesar de ainda ter o privilégio de ter a minha mãe, como ela vive longe também sinto muito a falta dela. Eu não posso nem imaginar o que está a sentir mas acredito que não seja nada fácil. Eu acredito que nós não fomos feitos para morrer por isso é que perda de alguém querido custa tanto. Não se sinta mal por ter esses sentimentos. A dor da perda com o tempo torna-se mais suportável mas nunca desaparece, por isso ainda vai ter mais desses momentos. Mas tem uma razão ainda maior para ser feliz – a sua filha que é linda

    Um beijinho é um abraço reconfortante

    1. Querida Catila, muito obrigada pelas suas palavras e comentário. Um beijo muito grande e obrigada mesmo de coração ❤

  4. Sei que é difícil! Muito até! Mas lembra-te que ao estares assim podes não estar a dar o máximo de ti à tua menina. Ela também precisa de ti tal como tu precisaste da tua mãe nos primeiros anos de vida. Tenho a certeza que a tua mãe está sempre do teu lado. Dói e vai doer para sempre, porém terás de te mentalizar que terás de viver com isso pra sempre. Sinto muito pela tua perca. Beijinhos

    1. Olá Carolina. Obrigada pelas tuas palavras e comentário. Este texto funcionou como uma terapia mesmo por isso, sentia que não estava a dar o máximo pela minha boneca e precisava de exteriorizar o que estava a sentir! Obrigada pelo carinho. Um beijinho grande ❤

Responder a João Silva Cancelar resposta