Instagram, esta relação de amor\ódio

São 23 horas. O pai foi adormecer a filha e eu decido finalmente agarrar neste portátil depois de semanas a adiar o momento.
Andei desligada das redes sociais e acho que chegou o momento de explicar o porquê.

Já há uns tempos que ando a ponderar imenso esta coisa toda do blog. De ter um blog, de escrever para ele, das horas de sono perdidas (porque as horas com a minha filha, só mesmo o trabalho é que as tira), da verdadeira razão de o ter e das razões erradas pelos quais são criados todos os dias blogs e páginas do Instagram.
Ando a pensar muito nesta dita influência digital que tanto está na moda e que tanto me enerva. Pessoas que vejo que têm excelentes blogs, com textos sem pretensões e que não recebem o devido reconhecimento e outras páginas que vejo com crescimentos abruptos…e suspeitos, diga-se de passagem.

Ando cansada e farta, principalmente do Instagram. Tendo eu um blog é normal que siga uns quantos blogs e\ou páginas que tenham conteúdo que me interesse e, sem querer estar a generalizar, mas tendo que o fazer, estou mesmo farta.
Farta de ver IG stories com publicidades constantes, farta de ver marcas identificadas a toda a hora, farta de ver pessoas que hoje publicitam marca A e amanhã publicitam marca B exactamente com o mesmo vigor, farta de ver identificações e partilhas dos amigos com X seguidores só porque esses mesmos seguidores se podem tornar seguidores do mesmo.
Repito, não quero mesmo generalizar, há ainda muitos blogs interessantes e sinceros por aí e que eu inclusive sigo, pessoas que sei que têm-no exactamente pela mesma razão que eu tenho, pelo prazer de escrever, de partilhar e de fotografar.

Estou mesmo cansada das redes sociais, dessa necessidade de partilhar tudo, de mostrar a toda a gente os segundos\minutos do dia, e de ouvir falar das 30 mil marcas que usam (ou não!) durante o dia…isto é psicologicamente desgastante!
Eu nem sequer me considero uma pessoa influenciável, já o disse por aqui várias vezes. Desconfio de tudo e todos, sempre desconfiei e pergunto-me várias vezes se as pessoas que fazem isso pensam na imagem que estão a passar? Na pessoa do outro lado que vê esta vida pseudo-perfeita e o impacto negativo que isso pode fazer nos próprios seguidores. Ou então na pessoa que como eu, começa a perder toda a credibilidade naquela página e\ou blog.
Se é este o caminho do futuro eu confesso-vos, estou genuinamente assustada.
Cheguei a um nível de tal saturação, que para mim é mais interessante deitar-me no sofá a olhar para o tecto branco da minha sala, do que abrir a aplicação do IG no telemóvel…não estou a brincar!

E é por isso, que durante este meu silêncio no mundo online, tenho andado a fazer uma limpeza ao meu IG.
Preciso de ver no meu feed mais fotos do mar, ouvir mais stories sobre destinos onde queira ir, ver fotos de pratos que anseie experimentar, saber mais informações sobre como usar menos plástico (também ando nessa luta!) e seguir pessoas que realmente fazem isto sem segundas intenções.
Chegamos ao ridículo de andarem numa luta por receber coisas, por ir a eventos, identificando marcas sem nenhuma lógica, a ver se alguma repara neles(as).

Se eu gosto de ir a eventos? Gosto! Se eu gosto de receber press kits em casa? Gosto! Se gosto de receber coisas à borla? Gosto! Se gosto que o meu cantinho me comece a dar algum rendimento? Gosto! Se algum dia irão ver-me a fazer um unboxing no IG? Lamento, mas não. Sei que é a “cena” do momento em termos de visualizações e rendimento, mas para mim continua a ser a “cena” mais sem nexo do momento.

O meu blog não se baseia nisso, não sou uma montra de publicidade, não sou uma base de partilha, não o quero ser.
Quero continuar aqui, quero continuar com o meu crescimento lento mas verdadeiro, no meu cantinho que já me deu muito mais daquilo que estava à espera.
Mas principalmente não quero perder os meus leitores. Vocês é que ainda me dão combustível para vir aqui e escrever, porque para além de adorar escrever, sei que há pessoas que gostam efectivamente de ler o que escrevo, e isso meu caros, ultrapassa todo este drama do mundo digital!

Vou regressando aos poucos! Tenho uns quantos temas pendentes e textos que quero escrever para vocês e, em Setembro, quando entrar de férias quero concretizar algo que tenho andado a magicar nos últimos tempos no meu Instagram que acho que de uma forma ou outra irá ser útil.
Até lá deixo-vos um beijinho!

Eu continuo por aqui, mas a vida offline é muito mais interessante 😉

Love
C

3 Replies to “Instagram, esta relação de amor\ódio”

  1. Cláudia, como te compreendo, e tão solidária com o que escreveste. Estando na blogosfera vai fazer 12 anos, sinto-me triste da falsidade que existe, é preciso é ter muitos seguidores, penso que nunca ensinaram a essas pessoas que fazem de tudo para os ter, desde comprar, que a quantidade nunca foi sinônimo de qualidade. Enfim… Pessoal que começou com blogs de culinária e agora no Instagram só postam marcas, para ver se alguém repara. Ainda não deixei o meu blog, por respeito aos meus «poucos» mas em qualidade grandiosos seguidores e principalmente aos meus filhos. Quero que fiquem com o caderno virtual da mãe.

    Beijinho

  2. Concordo tanto com aquilo que escreveste aqui! Eu, como alguém que tem um blogue, sempre defini para mim que queria fugir daquilo que é um bocadinho o estereótipo das bloggers e influencers de hoje em dia: moda, maquilhagem, parcerias com marcas… Acho que isso é um bocado too much, às vezes, e que faz com que o essencial se perca. Há situações em que eu realmente penso se a pessoa gosta do que faz e se sente que aquilo é algo com o qual se identifica ou se o faz apenas pelo retorno que dá.
    Sendo muito honesta, se fosse pelo retorno que o blogue ou o IG me dão, eu já teria desistido. Eu faço-o pelo gostinho que me dá ler os comentários das pessoas que, efetivamente, gostam do que eu escrevo ou publico; pela sensação boa que é falar aos outros das coisas que gosto ou daquilo que me vai na alma. Parece que ultimamente é tudo tão artificial e planeado que deixou de ter a essência das pessoas.

    Um beijinho grande,
    https://dreamcatcherblog2.blogspot.com

  3. É engraçado que estas questões sempre me passaram ao lado, deve ser porque não sigo moda nem maquilhagem
    Mas tenho de concordar que há muita gente a fazer pub e ainda por cima mal feita.
    Volta e meia também questiono-me sobre o blog e a verdade é que adoro escrever, fotografar e partilhar por isso o blog oferece-me esta oportunidade. Só que é isso, o offline para mim é mais importante e para o fazer é preciso “negligenciar” um pouco o blog, tod@s nós sabemos as horas que gastamos a escrever publicações.
    Para teres uma ideia eu não ando com os dados móveis ligados toda a hora e quando chego a casa tenho o wifi desligado. Ou seja, só vou à net quando preciso ou apetece um momento de lazer.
    Ah e falando em offline, não esqueci da tua cartinha

    Já conheces o meu projecto green vibe? Não só estou a sensibilizar para o problema do plástico como para o consumo consciente, que nos leva à questão do lixo no geral.
    http://www.facebook.com/greenvibe.pt
    http://www.instagram.com/greenvibe.pt

Deixe uma resposta