Matilde!

O dia amanheceu como qualquer outro. Eram 8:15 quando saímos de casa de malas feitas.
Lá dentro iam peças rigorosamente escolhidas e devidamente etiquetadas, como primeira e segunda roupa, consoante a hora do nascimento.
Desta vez não quis ir pela garagem do prédio, preferi esperar por ele lá fora para conseguir assim sentir a brisa matinal que devagar ia-me despertando e energizando para o resto do dia…O Dia!
Chegámos ao hospital Beatriz Ângelo às 8:30, qual pontualidade britânica. O coração batia forte, não sabia bem o que me esperava… há muito que não sentia tamanho nervosismo. Tirámos a senha e aguardámos. Durante estes curtos segundos de espera, relembro-me da consulta do dia anterior, a última consulta pré-natal, onde a médica foi-me dando os últimos conselhos antes do parto e organizando os últimos detalhes para o meu internamento.
Esperava-me um parto induzido às 39 semanas e 1 dia.
O internamento em si foi relativamente rápido. Fiquei num quarto sozinha e a primeira hora foi para me ambientar. A enfermeira chefe explicou-me todos os passos do processo da indução, que basicamente consistia num comprimido vaginal de 6 em 6 horas (com vigilância médica) e que, eventualmente, iria provocar o trabalho de parto.
Durante as primeiras 6 horas iria fazer um CTG de mais ou menos 2 horas e o resto do tempo poderia aproveitar para caminhar pelo hospital, para assim agilizar as contrações.
Comprimido tomado às 11 da manhã, início das contrações a darem o ar da sua graça por volta das 15:00!
Às 17:30 a médica bate à porta do meu quarto e pede ao maridão para sair. Faz-me mais um traumatizante toque vaginal e afirma: “Vamos para o bloco de partos!”
Tomei um banho quente para aliviar as dores e tentar acalmar o nervosismo. Tinha chegado o momento! O momento pelo qual tanto ansiava desde 5 de julho de 2016…iria finalmente ver-te.
Dou entrada no quarto 5 do bloco de partos às 18:50 e às 19:15 senti a dor mais agonizante de todo o trabalho de parto, que curiosamente coincidiu com o rebentamento das águas.
Aproveitando as maravilhas da medicina moderna pedi logo a epidural e, no meio de tanto entusiasmo, nervosismo, cansaço, felicidade e expectativa…adormeci! Uns bons 30 minutos que fizeram maravilhas para o que aí vinha a seguir.
Acordei com uma dor forte que se repetiu por mais três vezes, antes de eu pedir uma segunda dose da epidural. Ele sempre ao meu lado, recordando-me as respirações ensinadas durante o curso pré-parto.
Às 21:15 ouvi-te pela primeira vez! O choro mais reconfortante! Aquele que indica que estás bem! No segundo seguinte sinto-te pela primeira vez! O contacto de pele com pele! Mais um segundo e vejo-te!
Tornei-me mãe…ele tornou-se pai! O mundo parou…naqueles breves instantes erámos só nós os 3!
Não há volta a dar, não queremos dar a volta, aquele ser minúsculo que saiu de dentro de mim é o nosso maior tesouro, o símbolo do nosso amor, algo pelo qual ansiávamos há imenso tempo.
Já não precisávamos de imaginar a cara, expressões, ela estava ali à nossa frente…a nossa filha.
Naquele instante no nosso pequeno mundo a perfeição tinha acabado de se traduzir num nome…e o seu nome é MATILDE!
A Matilde nasceu a 18 de Fevereiro de 2017 às 21:15 com 2690 kgs e 45.5 cm e é a luz das nossas vidas!
Obrigada a todos pelas vossas mensagens e carinho!
matilde
Love
C

9 Replies to “Matilde!”

  1. Não tenho vindo à blogosfera publicar nem ler os meus blogs favoritos, mas quando vi a partilha no Facebook foi impossível não vir ler!
    A forma detalhada como contaste a história do teu parto, Cláudia, e de como a Matilde e´o símbolo do vosso amor é inspiradora. É linda! Sou uma lamechas e emociono-me muito com estas coisas! haha

    Que a vida deja cheia de felicidade para a Matilde e para os papás! 🙂

    Beijinho grande

    1. Claudia Oliveira says: Responder

      🙂 Obrigada querida Sofia! Só tentei passar para o “papel” a avalanche de emoções que senti e ainda sinto 😉

      Beijinho grande!

  2. Impossível não nos emocionaremos!! A cada palavra que lia consegui visualizar e sentir cada momento.
    O tornarmos-nós mães é um experiência maravilhosa e inexplicável.
    O Elvin também já nasceu 21/02/2017

    1. Claudia Oliveira says: Responder

      É mesmo maravilhoso Rossana 🙂
      Espero que tenha corrido tudo bem e bem-vindo pequeno Elvin 🙂
      Obrigada pelo comentário!
      Beijinhos!

  3. Fico sempre emocionada quando leio os teus textos. Benvinda Matilde, felicidades para a familia. Beijinhos

    1. Claudia Oliveira says: Responder

      Obrigada Cátia!
      Pelo comentário, apoio e carinho!

      Um beijinho grande

  4. Ohhh, que descrição tão encantadora! Aquele momento tão íntimo só vosso ♡ é mágico, sem dúvida… E aquela sensação indescritível quando vai para o teu colinho pela primeira vez? É um amor arrebatador, sem dúvida!
    um beijo minha querida

    1. Claudia Oliveira says: Responder

      Margarida é um amor que cresce a cada dia 🙂

      Obrigada pelo comentário!
      Um beijinho <3

  5. Tão bom! Deve ser o momento mais emocionante das nossas vidas. Obrigada pelo relato Claúdia, adorei!
    Neste momento temos uma indução agendada no HBA e é muito bom saber mais pormenores sobre a situação em si que nos deixa com um aperto no coração. O que mais me incomoda no meio disto tudo é ter que estar sozinha numa primeira fase, no internamento, mas pelos vistos contigo foi pouco tempo, pode ser que tenha essa sorte!
    Muitas felicidades para vocês.
    Beijinho,
    Adriana G.

Deixe uma resposta