Tic tac…que horas são?

 

 

…São horas de seres feliz!

 

 

 

Tic tac…o relógio marcava 22 horas, estava eu a arder em febre, triste, mente cansada, corpo todo dorido, mas nada doía mais do que as saudades que tinha do então namorado F.

 

Estava em Milão em trabalho há meses (…nem me quero lembrar quantos). Sozinha, numa cidade fria e cinzenta, sem sol, sem mar, sem luz, com pouco calor humano… precisava de companhia, precisava de carinho, precisava de andar de mãos dadas, precisava de um abraço e de ouvir um “vai tudo ficar bem! Já falta pouco!”

 

Impaciente, sentia-me muito impaciente enquanto esperava nas chegadas do aeroporto de Malpensa. O coração batia forte, as borboletas voavam pelo meu estômago, o cérebro inundava-se em pensamentos… “Será que ele ainda gosta de mim?”, “Habitou-se à minha ausência?”, “Estarei demasiado gorda?”, “Ou demasiado magra?”, “Nunca mais chega!”

 

 

 

Tic tac…o relógio marcava agora 22:30. O avião já devia ter aterrado há 10 minutos mas, como manda a tradição, oiço o primeiro aviso do atraso, 40 minutos. Uff… resta-me ler o livro que tenho dentro da mala para deixar de ter pensamentos negativos.

 

 

 

Tic tac…o relógio marcava 23:10. Estou tão nervosa e a febre parece que subiu. Ou será do nervosismo? Onde é que ele anda? Quero vê-lo!

 

O avião aterrou! Finalmente! Agora é só esperar mais uns minutos, afinal ele não tem bagagem de porão. Entretanto, para passar o tempo, fico atenta ao que se passa em meu redor. É incrível a troca de sentimentos e emoções que se experienciam num aeroporto… qualquer aeroporto…onde só uma palavra lhe faz jus…saudade!

 

 

 

Tic tac…o relógio marcava 23:30 e ele aparece, lá no fundo vejo-o, o meu coração salta e a minha alma sorri. Sem querer parecer lamechas…o amor move o mundo, ai move sim!

 

 

 

Tic tac…são 23:31 e está tudo bem, tudo ficou bem, tudo vai ficar bem!

 

InstagramCapture_072a9f2d-be7f-478f-91eb-f2e3c5301

 

Love

 

C.

 

* texto escrito no âmbito do tema deste mês do CPR – O Amor! E baseado na minha experiência pessoal (Outubro 2012)

Deixe uma resposta