Vacas felizes!

passatempo
Corria o “longínquo” ano de 2011, ano em que fomos pela primeira vez juntos ao Algarve e que descobrimos o nosso pedaço de paraíso. Enquanto ele ia atento à estrada, e eu completamente vidrada pelo que via através da janela, ia deixando a minha imaginação fluir. Até que as vi! De grande porte, ar despreocupado, a passear pelos campos verdejantes do Sul do país. Ali, todas reunidas numa manada, algumas de costas, outras de frente…naquele momento, enquanto o carro as passava, a minha cabeça girou ligeiramente para trás e surgiu-me A pergunta. Com toda a sinceridade e ingenuidade que às vezes me é tão característica, disparei: “Meu bem, achas que as vacas são felizes?”.
Podem imaginar qual foi a reacção da minha cara-metade…primeiro sorriu, depois gozou, riu às gargalhadas e ainda partilhou a pergunta “descabida” com a cunhada, pais e irmã. Mas eu acredito mesmo que fiz uma pergunta mais do que plausível, afinal como conseguimos nós perceber se alguns animais são felizes ou não? Tirando os cães, não vejo como pode ser perceptível a felicidade noutros animais, e, sendo eu uma pessoa extremamente positiva por natureza e de bem com a vida, gosto de ter a sensação que todo o mundo está feliz, ou que pelo menos o tenta ser.
Depois de meses de gozo quase que geral, eis que um dia oiço na TV o termo vacas felizes. Foi aí que percebi que a Terra Nostra entendia a minha preocupação inicial.
A Terra Nostra é uma marca que há muitos anos habita o nosso frigorífico, antes mesmo de saber que eram produtos vindos de vacas felizes.
Aqui em casa somos grandes consumidores do queijo magro (fatiado) e esporadicamente do leite (também magro) e da manteiga. Os últimos dois exclusivamente consumidos por mim. O leite consumo principalmente quando me apetece beber um batido (sem ser com leite de soja ou de amêndoa), ou quando me apetece beber um copo de leite quente antes de me deitar, para me fazer automaticamente regressar à infância. A manteiga, deixo-a mais para o fim-de-semana, quando deixo de lado os pequenos-almoços super hiper mega saudáveis e dou-me ao luxo de comer o meu tão amado pão com manteiga, seja ele torrado ou não.
Não sei bem porquê, mas a Terra Nostra simpatizou aqui com este cantinho e a pessoa por detrás dele (a je :p) e quis oferecer um miminho aos leitores destas peripécias. Para se habilitarem a receber um pequeno cabaz composto por leite magro, leite meio gordo, uma embalagem de queijo magro, uma embalagem de queijo normal, uma manteiga e uma caneca igual à da foto só precisam de:
  • Fazer gosto na minha página do Facebook – The Oof Diary
  • Fazer gosto na página do Facebook da Terra Nostra
  • Comentar aqui mesmo na secção dos comentários com a pergunta mais surreal que já fizeram ou que vos foi feita.
A pergunta mais original ganha. Digam lá se não é extremamente fácil?
Vá não sejam tímidos. Mostrem-me essas perguntas.
Passatempo válido até dia 30/11, o vencedor será anunciado posteriormente.
 terra nostra
Batido de papaia com leite magro Terra Nostra, sementes de chia e sementes de linhaça
Love
C

33 Replies to “Vacas felizes!”

  1. Marco de São João says: Responder

    Bem, assim de repente acho que a pergunta mais parva de que me lembro foi acerca do meu apelido, de São João.
    Já me perguntaram se se escrevia tudo junto ou separado.
    Ah, também já me perguntaram se eu sou “de São João” por viver em São João (do Estoril, suponho eu). E não, não sou o Marco que mora em São João, sou o Marco de São João (separado).

    1. A sério? Opah Marco de São João por viver em São João é priceless ahahah

      Obrigada pelo teu comentário e participação 🙂

      Um beijinho

  2. Ora bem, a pergunta mais estúpida que já fiz foi há muitos anos, ao meu professor de natação, quando lhe perguntei se era verdade que quando urinávamos na água aparecia uma mancha vermelha. Eheheh
    Coisas de crianças 🙂

    P.s cá em casa só consumimos manteiga e leite terra nostra tb 😀
    Beijinhos

    1. Ahahaahaha realmente as perguntas que fazemos em criança são as melhores 🙂
      Estou a ver que fazem uma muito boa escolha nos produtos a ter em casa eheh

      Obrigada pelo teu comentário e participação Mónica
      Um beijinho <3

  3. Já me perguntaram quando trabalhava no restaurante nas setes Cidades junto à lagoa azul, como se comia lapas dos acores e se comia a casca também eheheh

    Quase que mandei a estrangeira para junto das vacas felizes ahaha

  4. Não gosto nada de admitir, mas tenho que confessar que a pergunta mais parvinha que já fiz foi o que é uma PSP? É verdade… na altura eu achei que era uma agente da PSP. Imaginem a minha vergonha quando perguntei e me explicaram. Já era adulta e bem adulta. 😛

  5. Luana Cristina Martins dos Santos says: Responder

    Uma vez no trabalho virei-me para um colega e perguntei ”Este carro é a gasóleo ou a combustível?” pfff fui gozado o resto do dia 🙂

  6. – Uma vez estava a falar por mensagens com uma amiga e ela manda-me uma mensagem a perguntar se estava a dormir.. achei piada porque se estava a falar com ela por mensagens é óbvio que não estava a dormir kkkkk

  7. Alguém muito mas mesmo muito tótó perguntou-me-“Cristina sabes se é possível que as tatuagens passem genericamente de pais para filhos? dahhhhhhh

  8. Elsa Maria Bandeira Santos says: Responder

    A pequena Maria um dia vira-se para mim e diz.
    A minha mãe, é minha.?
    Tu também és minha mãe?
    Eu respondi
    Eu não sou tua mãe, a tua mãe é a tua mãe certo.
    Ela já muito zangada e confusa diz.
    Eu sou tua mãe e mãe da mãe pronto.
    Agora quando vou com ela e se perguntam.
    É sua filha?? Ela diz não, sou mãe da Elsa.
    Será escusado dizer que foi uma resposta fofinha mas algo surreal.

  9. A pergunta mais estúpida que já me fizeram e que me deixou sem resposta foi a seguinte: uma vez tive de ir ao serviços da segurança social e a dada altura a senhora que me atendia pediu-me para soletrar uma palavra passe que continha letras minúsculas, letras maiúsculas e números. Ora estava eu a soletrar a dita palavra passe tipo “A – maiúsculo”, “d – minúsculo”, e surge um número e eu digo “3” e pergunta-me a senhora “Maiúsculo ou minúsculo ?”…. 😛

  10. Coisas de criança:
    – Mamã as vacas felizes são aquelas que vão ao SPA?
    – Porque dizes isso, filho?
    – Porque para termos leite magro elas têm de fazer sauna para ficarem sem gordura!
    – Bem filho, é uma grande ideia!

  11. Uma colega trabalho que já se reformou: Mandaram lhe ir entregar um documento para enviar um fax, eu enviei o fax e entreguei lhe o documento, e ela perguntou: Foi enviado? eu respondi: sim, então ela perguntou novamente: como é que foi enviado se a folha saiu outra vez ai da máquina?

  12. Até tenra idade fazia confusão entre as palavras erótico e exótico e um dia na minha adolescência a jogar ao verdade ou consequência com um grupo de amigos (o meu crush estava presente) chegou a tão esperada hora de lhe fazer uma pergunta… Enchi-me de coragem, virei-me para ele e perguntei: “Queres vir para um sitio erótico comigo?” Claro que de rompante ouvi gargalhadas, gozo e olhos esbugalhados a encarar-me.
    Foi um momento caricato e constrangedor(na altura)mas que me ensinou de vez a diferença entre as duas palavras!

  13. Num momento de muita tensão, em que era necessário chamar uma ambulância, o meu tio perguntou me :
    — Alguém sabe o número do 112 ????
    Lolllll

  14. Ir na estrada e ver placas a dizer IPO 20 km, mais à frente, IPO 5 km, …….. e dizer ” mas o IPO, existem 3 e não são por aqui” , resposta ” pois não , essa placa é a indicar que tem centro de Inspecção Periódica Obrigatória (IPO) a 5 Km” .

  15. A pergunta mais parva com que fui brindada aconteceu quando era miúda. Um amiguinho engoliu a pastilha e entrou em pânico, e perguntou-me se era verdade que as pastilhas engolidas ficavam agarradas ao coração.

    Disse que não, claro, e depois passei mais de 5 anos sem comer pastilha porque aquele não foi só para o descansar, eu não fazia ideia e fiquei com um pequeno trauma (com sabor a morango) 😛

  16. Uma vez na praça do Comércio uns ingleses perguntaram-me onde se podia apanhar o barco para a outra margem ( apontaram para Almada) para irem andar de camelo em Marrocos!!!!! 🙂

  17. A pergunta mais surreal e constrangedora que fiz e que me lembre, foi à relativamente pouco tempo, enquanto estava ao telemóvel e me contaram uma novidade bombástica. Com a pressa de contar essa novidade a uma outra amiga, despedi-me rapidamente da pessoa da chamada enquanto já procurava com a mão desocupada o meu telemóvel. Como este não aparecia, e eu já estava quase a ter um mini-ataque cardíaco, perguntei à minha filha “Viste o meu telemóvel??” E ela responde incrédula “Sim, está na tua orelha”!

  18. A pergunta mais surreal que me fizeram foi… Como é a Macumba, qual o formato, a cor etc?…

  19. Uma das perguntas mais estúpidas que já me fizeram foi perguntarem-se se quando eu era pequena a minha mãe me meteu adubo nos sapatos. Isto porque eu sou muito alta :b

  20. Uma menina tão grande e tens medo de abelhas?

  21. A pergunta mais parva é sobre o meu apelido, que é Magina, ou seja por vezes as pessoas “ouvem” outra coisa 😛

  22. Alexandra Batista says: Responder

    Eu sou da Madeira e atualmente vivo no Porto.
    Ao longo do tempo, foram inúmeras as questões surreais que me fizeram, mas a mais incrédula que alguma vez ouvi foi: “É possível ir de carro de Portugal à Madeira?”
    Fiquei pasmada! Primeiro porque são quase 1000 km de oceano que separam Portugal continental da Madeira e segunda porque Madeira também é Portugal.

  23. Eu acredito que não há perguntas parvas, mas quem as ouve pode achar 🙂
    Lembro de, por trabalhar num hotel na Nazaré, os turistas perguntarem “A que horas é a Onda Gigante da Nazaré…”

  24. A pergunta mais surreal que já me fizeram foi durante uma entrevista numa daquelas empresas de trabalhos temporários. O rapaz perguntou a minha profissão e eu respondi “Engenheira Civil” e ele com a maior das naturalidades pergunta-me “O que é que um Engenheiro Civil faz?”. Só me apeteceu responder que pastam junto das vacas felizes! xD

  25. Uma vez na noite num bar onde me encontrava a dançar, uma perfeita desconhecida, perguntou-me:
    – tens branca?
    primeiro não percebi, depois achei que estava a ouvir mal, finalmente pedi para repetir porque achei que estava a brincar comigo. Depois fiquei em choque porque percebi que estava a falar a sério e fiquei a pensar naquela situação! Porquê? Porquê eu?

  26. Desde pequena que me lembro de brincadeiras com o meu apelido, troca de letras , alcunhas etc., até entre familiares fazemos piadas e chamamos à Rotunda do Marquês, a rotunda do Tio. Mas nada se compara com o surrealismo que me aconteceu numa aula de apresentação: – Andreia Pombal, 17 anos… ao qual o professor interrompeu: “Qual a sensação de ser descendente de um Português tão ilustre?” Toda a sala a rir e eu só pensava, ainda bem que o curso é de Engenharia e não de História que o Sebastião José de Carvalho e Melo não merece isto!

  27. Com 50 anos ainda tens medo de gafanhotos?

  28. Uma pergunta que já me fizeram várias vezes e quem as fez sabe muito bem que tenho uma irmã gémea é: Quantos anos tens? E a tua irmã? Depois não é necessário responder porque pela minha cara lembram-se logo qual é a resposta.

  29. A pergunta que já me fizeram várias vezes, é porque é que a minha mãe tem olhos verdes e eu tenho castanhos e porque é que os dela são lindos e os meus são castanhos :p

  30. Quando estava grávida de quase 9 meses, encontrei uma conhecida que me perguntou:
    – Estás grávida?
    Apeteceu-me responder:
    – Não, engoli uma bola de futebol pelo almoço… LOL!

  31. Uma vez falando com minha namorada de noite, já estava ela com muito sono

    eu perguntei: tas a fazer??
    Ela: a comer um filme e vendo pipocas e tu?

    Até hoje rimos tanto disso ahahhah

Responder a Sara Magina Cancelar resposta